Páginas

sábado, 31 de agosto de 2013

Um ano morando em Muriqui



Neste mês de agosto, completou um ano que me mudei para Muriqui, o 4º Distrito do Município de Mangaratiba (RJ).

Quando cheguei, estava sofrendo muito. Minha mulher encontrava-se internada numa clínica no Rio de Janeiro, o dinheiro comprometido com o pagamento de dívidas e precisava achar trabalho. No entanto, apesar de todas as lutas, eu me sentia interiormente feliz com Deus e com a oportunidade de viver uns três quarteirões junto à praia num cenário abençoado e rodeado por serras repletas do verde da Mata Atlântica. Acordava bem cedinho e ia logo caminhar pela orla marítima, deixando nas areias minhas pegadas e contemplando as belezas da baía de Sepetiba - um quadro com o azul das águas tendo a Restinga de Marambaia e um pedaço da Ilha Grande no horizonte. Muito show!

A decisão de vir morar aqui surgiu logo após eu ter me perdido na Floresta da Tijuca em junho/2012. Sempre gostei mais dos lugares pequenos e a experiência de quase ter morrido no meio do mato fez-me refletir sobre como poderia viver a nova oportunidade de continuar caminhando aqui nesta Terra. Resolvi então partir do Rio, após ter permanecido menos de um ano depois de deixar a Região Serrana em dezembro de 2011. Dia 21/08 do ano passado, finalmente trouxe a última bagagem pra cá.

Minha esposa Núbia nunca gostou da ideia de vir morar em Muriqui. Porém, pouco antes de se internar, ela acabou concordando. Confesso não ter sido fácil eu me estabelecer profissionalmente no atual destino. Embora formado há mais de oito anos, nunca tive vínculos empregatícios e sempre trabalhei por minha conta. Aí, com a CTPS limpinha, ficou complicado arrumar emprego. De nada adiantou distribuir meu currículo em várias empresas e o jeito foi me virar fazendo comércio na praia, passando a trabalhar com sorvetes, mais precisamente com picolés da marca Moleka. E, com a graça de Deus, tenho sido muito abençoado nas vendas, pelo que consegui pagar todas as dívidas com antecipação, mais o IPTU e a anuidade integral da OAB até o fim de janeiro.

Atualmente, eu e Núbia estamos mais tranquilos, embora ela deva passar por uma cirurgia prevista para o dia 13/09, sendo que todos os exames pré-operatórios já foram feitos. Ela já está gostando mais do lugar embora sinta saudades do bairro Grajaú onde moramos no Rio de Janeiro e mais ainda da cidade de Nova Friburgo, lá na serra. Lamento somente que sua saúde não esteja legal e que ela recuse ir à praia tomar banho de mar, sendo que sua situação me prende muito em casa.

Assim, tenho caminhado dia a dia. Continuo dedicando parte das minhas horas pela manhã ao estudo bíblico sobre o Evangelho de Lucas que vou postando no blogue como é possível acompanhar nos textos aqui apresentados desde junho. Meu objetivo é compartilhar com o público minhas reflexões e, futuramente, se Deus permitir, utilizar o conteúdo produzido na edição de um e-book (livro eletrônico). A principal finalidade será ganhar as consciências para a construção do Reino de Deus.

Quanto à política, não tenho me metido como fiz em outras épocas. Por causa da mudança de domicílio eleitoral de Nova Friburgo para o Rio de Janeiro, feita nos primeiros meses de 2012, só pude transferir meu título para Mangaratiba recentemente. Por conta disto, nem pude votar para prefeito em outubro e continuo sem filiação partidária. Porém, tenho atuado propositivamente como cidadão expondo minhas ideias em relação ao município num outro espaço que criei em maio chamado Propostas para uma Mangaratiba melhor. Confiram!


OBS: Foto acima com a visão panorâmica da orla de Muriqui encontrada no site da Prefeitura de Mangaratiba em http://www.mangaratiba.rj.gov.br/portal/distritos/muriqui.html

8 comentários:

  1. Boa noite, me apaixonei por Muriqui, estou pensando em mudar de endereço atualmente mora na zona Oeste do Rio, e vivo triste com tantos problemas na minha região.Onde muito cedo as crianças tão crianças, carregam armamentos pesados e não tem um minimo de educação. isto dói demais!
    aluguei um imóvel em Muriqui e sempre que posso curto a paz maravilhosa deste lugar, pesquisando sobre Muriqui encontrei seu Blog DR. Rodrigo.
    parabéns por sua vitória. Deus o abençoe, Rica e abundantemente.
    Iara Silva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Iara!

      Primeiramente obrigado por sua leitura e comentários.

      Infelizmente, Muriqui e Mangaratiba em geral não andam tão calmos assim. Tem ocorrido frequentes assaltos por aqui e, no sábado de Aleluia, a comunidade chegou a fazer um protesto pedindo ao governo estadual um maior efetivo policial.

      Ainda assim reconheço ser a situação daqui melhor que no Rio e cidades da região metropolitana. Aliás, o problema ocorre no estado inteiro e pode ser que, devido às Olimpíadas, o interior esteja ficando um pouco mais violento este ano. Infelizmente, não estamos mais no mesmo clima tranquilo que em 2012 quando cheguei parar morar na localidade. Mas ainda tem jeito!

      Abraços e tudo de bom!

      Excluir
  2. Boa noite dr. Rodrigo! Me chamo Claudia e tenho planos de em Janeiro me mudar para Itacuruçá. Porém não conheço nada por essas bandas e queria saber como é a vida por aí, antes de acometer a mim e a minha família a tamanha mudança de vida. A minha intenção é trabalhar com comida por aí. Montar uma pensão simples e entregar quentinha. Vc acha que tem mercado pra esse tipo de trabalho por essas bandas? Quanto costuma ser um aluguel de casa de dois quartos por aí? O custo de vida é alto?
    Desde já agradeço a ajuda.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite dr. Rodrigo! Me chamo Claudia e tenho planos de em Janeiro me mudar para Itacuruçá. Porém não conheço nada por essas bandas e queria saber como é a vida por aí, antes de acometer a mim e a minha família a tamanha mudança de vida. A minha intenção é trabalhar com comida por aí. Montar uma pensão simples e entregar quentinha. Vc acha que tem mercado pra esse tipo de trabalho por essas bandas? Quanto costuma ser um aluguel de casa de dois quartos por aí? O custo de vida é alto?
    Desde já agradeço a ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Claudia.

      O comércio em Itacuruçá, assim como nas demais localidades praianas de Mangaratiba, é muito sazonal. Ou seja, você tem um movimento satisfatório no verão e fins de semana acalourados, mas que depois cai muito na época da baixa temporada.

      O aluguel de imóveis varia e considero caros. Talvez menos do que em Muriqui. Porém, não recomendo ir pro lado do Axixá por causa dos riscos de deslizamento de terra. Se pesquisar, pode conseguir uma boa casa por um pouco mais de R$ 1.000,00.

      Sobre o custo de vida, considero-o relativamente alto. Muita coisa você precisa ir a Itaguaí para resolver e dispor de um automóvel proporciona maior conforto por causa da precariedade dos transportes. Principalmente quando tiver que viajar até o Centro de Mangaratiba. Apesar de ter um posto de saúde em Itacuruçá, o SUS em Mangaratiba não é satisfatório. Até quem tem plano precisa deslocar-se a Itaguaí.

      Mas, enfim, acredito que sempre há espaço para quem quer trabalhar bem com alimento. Eu preferiria investir em Itaguaí por ser uma cidade maior cujo comércio funciona o ano todo. Porém, em Itacuruçá, assim como em Muriqui, a vida é mais tranquila. Depende dos objetivos de cada um.

      Boa sorte!

      Excluir
  4. Bom dia. Cheguei ao seu blog procurando sobre a região. Assim como vocês, eu também morava na região serrana e mudei radicalmente, moro em Araruama há 1 ano. Fiquei bastante decepcionada com o quadro aqui. Mosquitos, calor, cidade cheia no verão e feriados já eram esperados. O que realmente me incomoda mais é que os frequentadores (turistas) são, 90%, oriundos da baixada e do subúrbio carioca, turismo predatório, do tipo "farofão" mesmo, largando sacolas de plástico no chão, jogando fraldas na lagoa, bebendo cerveja dia e noite. Sem preconceitos, nasci no subúrbio da zona da Leopoldina. Só que foi há 46 anos atrás e as coisas eram diferentes. Então, minha pergunta é: como é a frequência dos turistas da sua cidade? Na maior parte, pessoal da zona oeste, Campo Grande, favelas, etc? Fica lotado, entupido, no verão, digamos, faltando água, sem pão na padaria às 5 da manhã e filas intermináveis em todo lugar? Obrigada se puder responder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Aqui é a mesma coisa no verão: falta d'agua, transportes super lotados, praias cheias de turistas mal educados e que consomem pouco do que o comércio local oferece, trânsito congestionado, filas no mercado, aumento da violência, etc.

      Vivendo aqui há quatro anos e meio quase, sinto já muita saudade da serra.

      Abraços a obrigado por sua visita e comentários.

      Excluir
    2. Obrigada, meu irmão, pela sua resposta. Estou literalmente pas-sa-da com a situação. Estou procurando alternativas desde o norte do estado, só tive decepções. Achei que a costa verde pudesse aliviar o meu desalento, mas além dos preços dos imóveis serem absurdamente mais altos do que aqui, a má educação das pessoas que frequentam praias, venham de onde vier, praticamente é a mesma, não é? Ou seja: de norte a sul, só os ricos estão bem, têm acesso às melhores praias, vivem nos melhores lugares.....eu também tenho muita saudade da serra, vivi em Teresópolis por 32 anos! Imagine o que tenho passado aqui em Araruama! Tenho saudade do clima (principalmente!), dos mosquitos inexistentes, e de uma população um centímetro mais bem educada, ou, melhor dizendo, pelo menos mais gentil. Não sei o que acontece no litoral, talvez seja a herança indígena ainda presente (pode ser?), que as pessoas do comércio, dos serviços, etc são extremamente rudes e mal humoradas. Nem estou falando dos "turistas", que já comentamos, mas da população mesmo. Da serra eu não sinto mais falta é do trânsito e predação dos moradores de cidades grandes que tornaram a vida lá um tormento, pelo menos te posso falar de Teresópolis. Já não há mais hora para engarrafamento! Eu estava saindo para compromissos somente pela manhã pois quando dava meio-dia já não havia mais vagas nem nos estacionamentos pagos. Na rua, dormem carros estacionados já de noite, para garantir a vaga no dia seguinte. Você ligava para marcar um exame simples, mesmo que fosse particular, e a atendente te dava data para dali a 2 meses, tal o volume de pessoas. E o pessoal "riquinho" que saiu do Rio e SP, principalmente, quer levar pra serra o ritmo deles, não aceitam e não respeitam o modo de vida local, buzinam no sinal assim que fica verde, não têm paciência com nada nem ninguém....isto estava me incomodando bastante. Ou seja, uma cidade sem infraestrutura para uma população que não pára de crescer. Dá pena ver botarem abaixo aquelas mansões antigas, com terrenos enormes e árvores quase centenárias para construir prédios modernos com a cara da Barra. Desculpe se me alonguei no papo, é que gostei muito do seu blog, da sinceridade e humildade com que você contou a sua experiência. Eu vi um blog que você segue e gostei muito, sobre as ruas do Rio. Tudo de bom para vocês e boa sorte! Um abraço!

      Excluir