Páginas

domingo, 17 de junho de 2018

Será esta a Copa da frieza?



Neste domingo, a bola começa a rolar para o Brasil na maior competição futebolística do planeta. Porém, desde que me entendo por gente, nunca vi o nosso povo tão apático diante de um Mundial como agora. 

Com exceção da Copa de 1978, quando eu tinha apenas 2 anos, sempre vi a nossa população em festa nas vezes em que a seleção entrava em campo. Recordo exatamente dos jogos de 1982, já com meus seis anos de idade, quando minha avó materna se agitava a cada gol marcado pela seleção canarinho a ponto de bater na velha geladeira que ficava na sala da casa. E a vila onde ela e minha bisavó moravam estava toda enfeitada de bandeirinhas verdes e amarelas, com um enorme desenho do mascote "Laranjito". E a cada vitória, era a maior vibração entre os vizinhos até à inesperada derrota do Brasil para a Itália nas oitavas.

Sucessivamente, em todas as copas posteriores do século passado e as duas primeiras deste continuaram sendo marcadas com festas e outras animações. Recordo perfeitamente das músicas que faziam a ponto de serem gravados LPs e CDs, das programações na TV que batiam elevados recordes de audiência, das vinhetas exibidas no intervalo dos jogos na Globo pelo Araquém (personagem interpretado pelo humorista José Antônio de Barros no Mundial de 1986).

A partir de 2010, fui sentindo uma mudança no termômetro dentro da sociedade. Embora as ruas permanecessem sendo enfeitadas para a Copa, algumas vozes nas redes sociais de internet e nos artigos na imprensa passaram a lançar questionamentos críticos em relação ao futebol. Eu mesmo postei neste blogue o texto intitulado Onde estará a torcida depois da copa?, no qual havia questionado justamente a alienação da maioria da população com relação à política. E assim escrevi:

"(...) Uma nação não pode viver apenas de futebol! Um país como o Brasil, cheio de problemas sociais, com crianças e adolescentes sendo usados como “soldados” pelo tráfico de drogas, com pacientes idosos a espera de atendimento nos hospitais público, esgoto correndo a céu aberto em várias cidades e despejado in natura nos nossos rios, redes deficientes de transportes coletivo, milhões de famílias vivendo em precárias condições de moradias, muita gente desempregada e Maracanãs de florestas sendo devastadas diariamente na Amazônia, sinceramente não dá para nos iludirmos com as comemorações dos esportes como se tudo se resumisse ao gol de placa do time campeão. Mais uma vez pergunta-se: onde está a torcida nestas horas? (...)"

Consequentemente, a Copa de 2014 foi marcada por intensos protestos que se iniciaram desde os movimentos de junho de 2013. Independentemente da derrota por 7 a 1 para a Alemanha nas semifinais, a decepção da torcida havia se dado com a contradição entre construir caríssimos estádios e faltar os serviços mais essenciais para a população. Tal goleada teria sido apenas algo emblemático dentro do contexto por nós vivido. Afinal, eram bilhões e bilhões de reais sendo jogados fora com obras que demoraram para ser entregues (com superfaturamento) e outras relativas à infraestrutura das cidades sede do evento que até agora encontram-se paradas devido á corrupção.

Em 2018, como resposta a tudo isso, tenho visto manifestações nas redes sociais contrárias à Copa. Pessoas escrevem em seus perfis no Facebook que não estarão se importando mais com os jogos. E, nas ruas, raramente encontro alguma casa enfeitada como era antigamente nos meus tempos de criança e de adolescente. Até que uma internauta, oportunamente, compartilhou um artigo que achei bem interessante:

"(...) Fico pensando...cadê a alegria da Copa? Cadê o Patriotismo? Cadê a União dos vizinhos? ...
O tempo passou, tantas coisas aconteceram.
Inclusive tantas decepções com os governantes. Decepção até mesmo com os jogadores, que se vendem fácil, que não.jogam mais por amor e garra e sim pelos milhões que irão receber ganhando ou perdendo. E nem pensam que quando perdem o Brasileiro sofre. Sofre sim porque uma das grandes alegrias em massa é ainda o futebol, que é esporte, é saudável e é alegria sempre.
Tantas mudanças com a era do celular no topo e tantas distâncias entre as pessoas. Os vizinhos hoje muito mal falam bom dia. Uns falam, outros nem fazem questão. Muitos hoje não esperam o momento do jogo chegar para torcer e sim esperam a trégua para saírem mais cedo do trabalho ou aquela paradinha para o jogo. Vejo tantas lojas abarrotadas de assessórios para a copa e tenho dó e torço que vendam tudo, apesar que tb sei que a maioria dos produtos são acumulados e sobra de outras copas. Triste isso.
É triste ver e perceber essa mudança e saber que os jovens e crianças de hoje não viverão o que eu e muitos de vcs viviam anos atrás (...)" - Trecho da postagem de autoria de Luciana Silva, extraído de seu perfil no site de relacionamentos Facebook em https://www.facebook.com/lucianappsilva/posts/1697311680346798 

De acordo com uma pesquisa do Datafolha divulgada dia 12/06 pelo jornal Folha de S. Paulo, foi confirmado esse desinteresse dos brasileiros pela Copa do Mundo. Pois, segundo os dados apurados, 53% dos entrevistados afirmaram não ter nenhum interesse pelo mundial de futebol, sendo que, às vésperas da competição de 1994 (ano em que essa pesquisa foi feita pela primeira vez), apenas 20% dos brasileiros se declaravam desinteressados.

Acho que o momento atual do Brasil, por mais que esteja ruim, não pode roubar de nós esta alegria. Por isso, desejo que possamos nos animar conscientemente para este Mundial pois a alegria das copas sempre fez parte da nossa cultura. Pois, afinal, esporte é vida e o trabalho de uma equipe precisa ser prestigiado independentemente dos problemas que hoje estamos enfrentando. 

Salve a seleção!

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Mais um prefeito tem o seu registro de candidatura cassado pela Justiça!



Escrevi algumas vezes no blogue acerca da Lei da Ficha Limpa e da sua polêmica aplicabilidade relativos a fatos anteriores à sua vigência, por haver a norma fixado novos requisitos de idoneidade moral aos candidatos nas eleições. Nesses textos de minha autoria, não deixei de mencionar o fato de que o pleito majoritário aqui no Município de Mangaratiba, ocorrido em 02/10/2016, encontrava-se sub judice por conta da controvérsia gerada quanto à situação jurídica do candidato a prefeito da chapa vencedora, Sr. Aarão de Moura Brito Neto (PPS).

Assim, por decisão unânime durante a sessão desta última quinta-feira (14/06), eis que o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) finalmente cassou o registro de candidatura do mencionado político. A relatora do caso, ministra Rosa Weber, destacou que a condenação por abuso de poder ocorrera nas eleições de 2008, quando Aarão também havia sido eleito para comandar a cidade. E, ao proferir seu voto, a magistrada lembrou que o prazo de inelegibilidade teve início no dia 05 de outubro daquele ano e só findou em 05 de outubro de 2016. Só que, como o pleito de 2016 ocorreu no dia 2 de outubro, o fim do prazo de inelegibilidade se deu posteriormente à data da eleição.

Tal posicionamento foi seguido pelos ministros Luis Roberto Barroso, Napoleão Nunes Maia Filho, Og Fernandes, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e ainda pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux. Pois, afinal, trata-se de uma questão que já havia sido pacificada pelo Supremo Tribunal Federal, de modo que, superada as questões processuais, o Douto Colegiado apenas aplicou o entendimento já fixado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no Recurso Extraordinário de n.º 929670. Neste outro processo, em 01/03/2018, o Pretório Excelso havia afirmado que a inelegibilidade de oito anos pode ser aplicada a casos anteriores à vigência da Lei da Ficha Limpa.


Certo é que o processo envolvendo Mangaratiba, assim como os recursos sobre as eleições de Rio das Ostras, Teresópolis e Cabo Frio, faziam parte de uma lista de casos que se encontravam sobrestados no TSE, apenas aguardando a decisão do STF. Porém, assim que houve a pacificação da questão, todos esses feitos passaram a ser julgados desde então. (clique AQUI para ler o artigo sore o recurso extraordinário com repercussão geral)

Agora, com esse resultado, assim que for publicado o acórdão da decisão de ontem, o presidente da Câmara Municipal de Mangaratiba deverá ser notificado para que assuma o cargo de prefeito interinamente tal como foi nas outras cidades. Por sua vez, as eleições suplementares precisarão ser marcadas para a escolha de novos prefeito e vice num mandato tampão que durará até o final de 2020 como ocorreu dia 03/06 em Teresópolis e deverá se repetir nos municípios de Cabo Frio e Rio das Ostras em 24/06.

Deste modo, todos aguardam com muita ansiedade aqui quando será o novo pleito, muito embora não seja possível ainda determinar quando será a data. Até mesmo porque o primeiro semestre de 2018 está terminando e teremos, em breve, o cumprimento do calendário das eleições gerais no país previstas para outubro. Logo, é bem provável que, só nos primeiros meses do próximo ano, o cidadão magaratibense irá escolher quem serão os seus novos prefeito e vice-prefeito.

Que tudo se resolva bem até lá!

terça-feira, 12 de junho de 2018

Um dia para comemorar o namoro



São quatro os dias no ano que não posso esquecer de lembrar da minha mulher: sábado de Carnaval (quando nos conhecemos pela primeira vez), 04/03 (data do nosso casamento), 26/04 (aniversário dela) e 12/06 (Dia dos Namorados aqui no Brasil). Desses o que menos festejamos é justamente o evento de hoje.

No entanto, pode-se dizer que o Dia dos Namorados seria umas das principais datas do nosso comércio varejista, ficando apenas atrás do Natal e dos Dia das Mães, podendo alternar-se com o Dia dos Pais e com a Páscoa. Aliás, foi justamente para isso que o publicitário João Agripino da Costa Doria Neto (1919 — 2000) lançou a ideia, aproveitando-se do fato de ser a véspera do Dia de Santo António, considerado popularmente como um santo "casamenteiro". Doria apresentou a sua proposta aos empresários paulistas, os quais iniciaram as comemorações em junho de 1949 com o slogan "não é só com beijos que se prova o amor".

Certo é que a ideia de Doria expandiu-se pelo Brasil, amparada pela correlação com o Dia de São Valentim, o qual, nos países do hemisfério norte, ocorre em 14/02, sendo utilizado justamente para incentivar as trocas de presentes entre os casais apaixonados. E de 1949 para cá, praticamente todos os namorados, noivos e pessoas casadas no país passaram a festejar esse dia de alguma maneira.

Os produtos mais vendidos nessa época costumam ser os perfumes, cosméticos, anéis, brincos, colares, roupinhas da moda, celulares, flores e, se a mulher não estiver de dieta, até uma caixinha de bombom vale. Dar um artigo de cozinha hoje pode ser visto como algo ofensivo para muitas esposas por mais necessário que seja o bem ofertado no cotidiano de uma família. Já os homens podem preferir ser presenteados com aquilo que utilizam com maior frequência muito embora as namoradas (no sentido lato) queiram escolher algo que tornará seus companheiros mais agradáveis ao próprio gosto delas. Claro que, nessa época, a dúvida toma conta de muitos. Principalmente dos consumidores masculinos quando vão às compras pensando no que agradará à amada.

É claro que o Dia dos Namorados não se resume à aquisição de um bem nas lojas. Existe também a contratação de serviços pois qual mulher não adora receber um convite para jantar, talvez assistir a uma sessão de cinema num shopping e terminar a noite glamurosamente num lugar diferente? Aliás, a ABMOTÉIS - Associação Brasileira de Motéis - espera que o movimento cresça em mais de 20% não só na noite de hoje como no mês. Pois, aproveitando o momento, promoções chegam a ser oferecidas em vários estabelecimentos mais dispostos a agradar o cliente, incluindo vendas antecipadas com desconto, parcelamentos, prêmios e um atendimento refinado. E, por mais que a procura seja maior nesses dias de junho, trata-se de uma oferta inteligente pois tem por objetivo estimular o retorno do consumidor durante outras vezes no ano.

Seja como for, esse não é um dia para ser passado em branco por quem é casado, convivente em união estável, noivo ou está apenas namorando com alguém sem haver um compromisso mais sério. E, mesmo que a distância separe os amantes, vale a pena postar um cartãozinho nos Correios como se fazia antigamente ou, no mínimo, comunicar-se dando uma atenção especial para a outra pessoa através da internet que hoje, com a ajuda da tecnologia, já permite uma conversação com imagens e voz em tempo real sendo que, conforme os gostos de cada casal, troca-se muito mais do que simples mensagens carinhosas nos smartphones...

Mesmo para quem for fazer um jantar romântico no lar doce lar, sempre há dicas para sair da rotina e apimentar a relação. Pois, se o marido chegar em casa com uma linda flor, tomar um bom banho, preparar-se para a esposa cuidando do asseio corpo, surpreendê-la com uma lingerie de renda como presente e trazer um imã de geladeira romântico e uma almofadinha com o escrito "eu te amo" já será  estará fazendo algo fora do habitual. E, se bobear, ele estará desembolsando menos de R$ 50,00 (cinquenta reais), mas fará com  que o momento se torne inesquecível desde que seja criativo, carinhoso e atencioso

Enfim, vou parar de escrever e desejar a todos os casais que aproveitem bem a data, torcendo, ao mesmo tempo, para que os solteiros, ao invés de sofrerem, arrumem maneiras de se divertir conformadamente. Como diz o ditado, "antes só que mal acompanhado", sendo que muitos são os que andam por aí desgostosos com um casamento infeliz. 

Um ótimo Dia dos Namorados para todos!

sexta-feira, 1 de junho de 2018

O encontro do ano



Para a data de 12/06, quando comemoramos por aqui o Dia dos Namorados (creio que seja o terceiro "Natal" do comércio), dois rivais que tanto se atacaram em 2017 deverão se encontrar em Singapura: Donald Trump e Kim Jong-un.

Quando lembro que, há menos de um ano, a tensão na Ásia estava tão grande a ponto de alguns esperarem que houvesse por lá até mesmo uma avassaladora guerra atômica, eis que agora tudo caminha para a paz e o desarmamento nuclear da Coréia do Norte. Ainda bem.

É certo que essa desnuclearização não virá de graça. Acredito que, além da retirada das sanções econômicas, os norte-coreanos deverão sair com algumas outras vantagens. E não duvido que haja um projeto muito maior em vista como, por exemplo, uma aproximação com a vizinha Coréia do Sul. Sem esquecermos de que Kim Jong-un melhorará muito a sua imagem com o restante do mundo, conseguindo novos acordos comerciais.

De qualquer modo, não acho que Trump estará perdendo algo com isso a ponto da Casa Branca ter até lançado uma moeda comemorativa do esperado encontro (ver foto acima). Pois tendo em vista que, daqui uns dois anos, haverá eleições presidenciais nos Estados Unidos e que ele tentará a reeleição, eis que um êxito com a Coréia do Norte poderá ofuscar os notórios entendimentos com Cuba obtidos na era Obama.

Com uma mudança de atitudes em tão pouco tempo, podemos dizer que ambos os líderes ficaram meses jogando pôquer entre si a cada teste de míssil ou ameaça de guerra. Só que que nada daquilo poderia se concretizar pois não haveria vitória para a Coréia do Norte e os americanos amargariam enormes prejuízos econômicos com um eventual conflito ali que fizesse uso de armas de destruição em massa.

Espero, com toda sinceridade, que haja a consolidação da paz na região e que o encontro venha a servir de exemplo para todo o planeta no sentido de mostrar a necessidade de se chegar a soluções pacíficas. Pois, afinal, o mundo de hoje já não comporta conflitos de grandes proporções devendo ser o diálogo a via adequada para uma composição entre as partes.

Ótimo final de semana a todos!

Uma sexualidade vivida com mais prazer e conhecimento



"Então acontece mesmo que quanto mais sexual uma pessoa é, mais inventiva ela pode ser. Quando mais sexual uma pessoa é, mais inteligente é. Com menos energia sexual, menos inteligência existe; com mais energia sexual, mais inteligência, porque o sexo é uma procura profunda para revelar, não apenas corpos, não apenas o corpo do sexo oposto, mas também tudo que está escondido." (Osho, em The Ultimate Alchemy

Começo o frio mês de junho escrevendo sobre um assunto super quente - sexo. Algo que, apesar de ter mudado muito nos últimos 50 anos, ainda é tabu para uma significativa parcela da sociedade brasileira.

Por esses dias eu estava lendo a respeito da massagem yone, a qual, por sua vez, é uma das modalidades da massagem tântrica, tendo se tornado uma prática cada vez mais procurada ultimamente tanto por mulheres solteiras quanto por casais.

Mas, afinal, o que vem a ser isso?

Para melhor entendermos o assunto, há que se estudar um pouco a respeito do Tantra, o qual é uma filosofia que abrange ensinamentos e práticas originados na antiga sociedade indiana, tendo por objetivo o desenvolvimento integral do ser humano nos seus aspectos físico, mental e espiritual. É um termo sânscrito bem amplo que pode significar "uso, trama, tecer".

Certamente que o Tantra não se restringiu ao Hinduísmo pois se misturou com diversas outras culturas e correntes filosóficas como o Vedanta, o Yoga, o Budismo e o Taoísmo, somente se tornando mais conhecido no Ocidente a partir das últimas cinco décadas. Principalmente entre os místicos e esotéricos (muitos deles baseados nos ensinos do guru Osho), havendo no Brasil várias escolas iniciáticas.

Todavia, graças à internet e ao interesse das pessoas por temas ligados à saúde, vários ensinamentos do tantrismo divulgaram-se rapidamente, sobretudo quanto à sexualidade. Aliás, pode-se dizer até que os sites pornográficos têm promovido vídeos sobre massagens eróticas inspiradas no tantrismo embora totalmente desconectados com os seus conceitos filosóficos básicos. E não descarto que esteja havendo até uma larga comercialização dessas práticas como serviços prestados e que estariam divorciados até dos seus aspectos terapêuticos.

Para um pesquisador voltado para o saber científico e que busca ter a sua mente fora da gaiola, estudar o tantrismo e sua aplicação à sexualidade poderá não ter conotação religiosa, porém há que se respeitar tal conhecimento das tradições orientais, considerando o milenar alcance da qualidade de vida pelas sociedades que experimentam esses ensinos. Pois, em que pareça ser conhecimento empírico, este jamais deve ser desprezado pela mente que busca sistematizar tudo pela razão e creio que assim age um massoterapeuta interessado em atuar na área.

Indo agora direto às massagens eróticas, falarei um pouco da yoni, uma palavra no idioma sânscrito e que funciona como um sinônimo para "vagina", que, no Tantra, é conhecida como o "espaço sagrado" ou o "templo sagrado". E, assim sendo, devemos considerar que um entendimento desses induz à ideia de amor e respeito pela sexualidade feminina.

Como consequência, um dos objetivos do chamado sexo tântrico consiste em proporcionar mais prazer à parceira, desde o relaxamento e excitação até o orgasmo. Daí a massagem yoni tem sido vista como uma excelente ferramenta para se construir a intimidade e a confiança num relacionamento.

Por outro lado, independentemente da questão do relacionamento afetivo, tal massagem tem ajudado muitas mulheres a romper bloqueios e traumas sexuais. E, além de contribuir para o alcance do orgasmo, há vários efeitos emocionais que são percebidos no cotidiano, ligados, por exemplo, à autoestima pessoal, ao domínio próprio, ao relaxamento e ao bem estar.

De modo algum pretendo neste artigo dar uma aula sobre um tema acerca do qual eu seria tão somente um pesquisador neófito. Porém, o que podemos apurar na atualidade é que a visão sobre a sexualidade mudou muito já que as parcelas mais esclarecidas da nossa sociedade tem buscado vivenciar o sexo livre dos tabus e dos valores impostos pela cultura religiosa repressora do cristianismo.

Por óbvio que para quem vive engaiolado dentro de uma igreja tais conhecimentos vindos do Oriente acabam sendo associados ao "pecado", ao paganismo e até demonizados. Pois, ainda que os segmentos católico e evangélico tenham experimentado alguma evoluções nos últimos 50 anos, dificilmente uma cristã religiosa aceitaria de boa consciência buscar a ajuda de um(a) terapeuta, ainda que o profissional não demonstre qualquer interesse sexual na sua pessoa. Ela mesma, caso seja uma radical, talvez recusaria tocar nas partes íntimas de seu próprio corpo ou, se bobear, nem permitir que o marido venha a fazer nela a massagem erótica temendo contrariar algum preceito da Bíblia.

De qualquer modo, as reações dos segmentos dominantes da religião cristã não impedem o crescente estudo acerca da sexualidade humana. Pois, muito pelo contrário, vejo pessoas hoje em dia querendo se informar mais sobre sexo e se tratarem de distúrbios que afetam os seus relacionamentos. Daí serem muitos os que, na atualidade, dispõem-se a enfrentar de peito aberto problemas tipo a frigidez, a falta de orgasmos, as dores relacionadas ao sexo, a ejaculação precoce, a impotência.

Quanto ao público masculino, talvez seja o machismo o maior dos obstáculos para o bem estar sexual já que muitos homens preferem negar que sofrem de alguma disfunção. Porém, os que se libertam dessa outra gaiola comportamental costumam se tornar aptos para serem mais felizes na cama com a parceira e até resgatarem um relacionamento fracassado. Inclusive aprendendo sobre novas maneiras de proporcionar prazer à sua mulher.

sábado, 26 de maio de 2018

Contra os EXCESSOS cometidos nas paralisações dos caminhoneiros



Passei vários dias da semana sem postar no blogue devido a compromissos com o trabalho, embora não tivesse me ausentado do sítio de relacionamentos Facebook. Porém, não posso deixar que o mês termine sem antes fazer alguns comentários sobre o principal acontecimento recente da vida nacional, o qual se refere às paralisações dos caminhoneiros nas estradas cujos protestos já duram seis dias ocupando as manchetes dos nossos jornais.

Com todo respeito ao direito de greve das categorias profissionais, eis que pra tudo há limites... Sou contra os manifestantes bloquearam rodovias e agirem com violência!

A meu ver, se um grupo minoritário de caminhoneiros não quer reconhecer o acordo celebrado com o governo na quinta-feira (24/05), no qual se propôs a suspensão da greve, e pretende prosseguir com uma paralisação ilegítima, então que desocupem as estradas, estacionem os veículos numa garagem e façam os seus protestos particulares na praça de uma cidade. Porém, não é justa essa violação do direito de ir e vir da maioria da população que muitos manifestantes ainda andam a fazer (até o momento restam quase 600 pontos de bloqueio segundo a PRF), tendo em vista serem as pessoas que sofrem com tal conduta abusiva, a qual caracteriza um tipo de assédio.

Fato é que boa parte desse movimento não passa de um locaute. E, se bem refletirmos, há algo de podre por trás de algumas manifestações que temos visto aí, onde se pede até "intervenção militar" no país, num total desrespeito ao que fora pactuado com o governo e também à Justiça. Por isso, ontem mesmo, o Ministro do STF Alexandre de Moraes autorizou o uso de força para desbloqueio de rodovias e ainda impôs multa a quem descumprir decisão. No caso, seriam R$ 100 mil por hora às entidades que atuarem nas interdições de vias e uma pena de R$ 10 mil por dia para motorista que estiver obstruindo a pista.

Acerca da questão, ontem mesmo o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) foi entrevistado por um veículo de imprensa para falar a respeito da crise com os caminhoneiros. E, segundo o tucano bem colocou, "por mais justa que seja a causa, nenhuma categoria pode fazer todos os brasileiros de reféns", lembrando que os "itens básicos como remédios, água e alimentos não podem faltar a quem precisa".

Sua abordagem do tema foi muito feliz pois "o problema do diesel é o preço, resultante da carga tributária, que hoje é elevada para pagar os anos em que o governo foi mal gerido" sendo que "a imprevisibilidade dos aumentos inviabiliza a vida de quem trabalha, produz e transporta". Logo, há que se ter "autoridade para resolver o problema" e daí observo que somente quando tivermos um governo com uma equipe econômica competente iremos de fato dar jeito nisso.

De qualquer modo, os caminhoneiros e toda a sociedade precisam respeitar o atual presidente, quer gostemos ou não de Michel Temer. Pois, em que pese toda a sua fraqueza como líder e suspeitas de inidoneidade, devemos reverenciar o cargo por ele ocupado assim como as ordens da Justiça. Logo, não pode uma parcela dos caminhoneiros continuar obstruindo estradas em prejuízo de toda uma coletividade.

Assim sendo, nesses tempos tão sombrios que a nação brasileira atravessa, espero que ainda nos sobre um pouco de bom senso e equilíbrio a fim de que toda a nossa indignação seja canalizada de maneira pró-ativa na busca de soluções. Sem nos esquecermos de que falta pouco mais do que quatro meses para termos eleições gerais, quando então o eleitor terá a chance de escolher novos representantes para o os Poderes Executivo e Legislativo, tanto da esfera federal quanto no âmbito de seus respectivos estados.

Ótimo final de sábado a todos!

OBS: Créditos autorais da imagem acima atribuídos a Marcelo Camargo/Agência Brasil, conforme extraído de http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-05/empresas-argentinas-acompanham-paralisacao-de-caminhoneiros-no-brasil 

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Seja bem vindo, frio!



Finalmente ele chegou! Demorou, mas chegou!

Com muita expectativa e sem perder paciência, fui esperando pelo tempo do frio que costuma durar bem pouco aqui no litoral do Rio de Janeiro, mesmo no sul do estado.

Pois é. No fim de semana passado (o penúltimo de maio), tivemos uma gostosa queda de temperatura que, embora sentida com mais intensidade nos lugares do interior do Brasil, principalmente nas serras, já deu para mudar os ares daqui de baixo.

Ontem mesmo, no final da tarde, quando fui até a uma padaria na rua Ceará, a qual fica paralela a minha, dava para sentir aquele friozinho envolvendo-me por completo. O céu estava azul, ainda claro, mas com o sol já se escondendo por detrás dos morros, e quase ninguém na rua porque não estamos mais em temporada turística (felizmente). Acabei, porém, saboreando um delicioso picolé para sentir mais frio.

Já na parte da manhã do domingo, quando acompanhei um amigo meu a um encontro de pré-candidatos do Podemos com o senador Romário, passamos brevemente de carro pela orla da Barra da Tijuca, bairro nobre da Zona Oeste do Rio. A praia estava praticamente vazia e havia trechos em que não víamos uma viva alma se mexendo sendo que, para desgosto dos comerciantes, quase nenhum consumidor foi avistado para comprar algo nos quiosques.



No entanto, confesso que prefiro ir à praia nessa época do que no verão. Para mim, nada mais gostoso do que aquele banho de sol com brandas temperaturas em que, por uns breves instantes, podemos tirar todo o agasalho para logo depois nos cobrirmos novamente. Aliás, algo semelhante era o que eu e Núbia fazíamos com frequência no terraço do edifício onde moramos na cidade serrana de Nova Friburgo. Só que lá faz frio de verdade nessa época e chegou a bater uns dois graus e meio na madrugada de ontem para hoje, enquanto, por aqui, os termômetros nem chegaram perto dos 10ºC.

De qualquer modo, mesmo sendo brando o frio do litoral, um clima assim já me faz sentir bem. Aliás, nem faço muita questão de que as temperaturas baixem tanto e ver neve para mim basta que seja uma única vez na vida. Pois me contento com a agradabilidade do dia nas suas principais horas e me dou por satisfeito com o fato de podermos nos vestir confortavelmente ao sair para trabalhar com roupa social.

Além disso, outra coisa boa do frio é poder apreciar alguns pratos mais picantes e com gordura saudável. Comer um angu com pimenta e carne moída, uma macarronada, uma sopa e também beber um chocolate quente são coisas que caem muito bem nesta época, ainda que eu não dispense certos cardápios por mais que esteja fazendo aquele calorão. Só não consigo é vestir terno com paletó e gravata...

Enquanto o frio vai se apresentando por aqui, eis que, no outro hemisfério, para a alegria de uma amiga portuguesa que muito visita este blogue, as temperaturas já estão aquecendo o Velho Mundo. Aliás, recebi hoje de uma pessoa que está passeando por Dresden e Berlim, na Alemanha, umas fotos com o pessoal circulando bem à vontade curtindo o feriado religioso de lá.


Do mais é isso, meus amigos. O que vale é curtirmos ao máximo cada estação por mais que gostemos de umas mais do que de outras. E sei que, quando o frio estiver se despedindo, já estarei com um pouquinho de saudades do calor e com aquela vontade enorme de tomar um banho de cachoeira.

Ótimo final e tarde a todos e aproveitem as horas!