Páginas

domingo, 18 de novembro de 2018

Prestigiando um grande evento musical aqui em Mangaratiba



Não é todo fim de semana que uma cidade de seus 40 mil habitantes recebe um evento como o que eu e Núbia assistimos na data de ontem (17/11) no Centro de Mangaratiba. Pois, pela primeira vez, recebemos aqui no Município a tradicional Orquestra Sinfônica Brasileira, a qual alegrou a nossa noite, promovendo uma overdose de cultura em nosso meio.

Saímos de casa no final da tarde e fomos caminhando até à rodovia Governador Mário Covas (Rio-Santos) a fim de pegar a condução para não nos atrasarmos já que os transportes de Muriqui para a sede do Município não costumam funcionar adequadamente. Ainda mais num feriadão como esse com os balneários lotados de turistas. Por isso, tem momentos que prefiro andar cerca de um quilômetro até à estrada para pegar o ônibus do que ficar indefinidamente aguardando o coletivo no ponto.

Chegando ao Centro, como ainda faltava uma hora para o evento, deu tempo de curtirmos mais uma versão do Beco Livre que, dessa vez, não estava rolando nas proximidades do Museu Municipal, ao lado do encantador Beco da Poesia. Porém, as barracas foram todas armadas na Praça Robert Simões já que, em razão da apresentação da orquestra, o movimento de pessoas iria convergir para o palco armado em frente.






O concerto estava marcado para às 19:30 hs. Só que, como as coisas no Brasil não costumam começar no horário exato, a apresentação acabou rolando um pouco mais tarde e foi precedida por uma banda de fanfarra dos alunos de uma escola municipal.

Pode-se dizer que o comparecimento da população foi maciça e, como escreveu um amigo no seu Facebook, essa presença do público "ratifica que Mangaratiba também tem fome de diversão, cultura e arte". Inclusive, conforme outro internauta bem postou nas redes sociais, tendo o seu comentário reproduzido na edição de hoje do portal Notícias de Itacuruçá,

"Nunca, em toda a história do município, Mangaratiba acolheu um evento musical dessa magnitude. Do clássico ao erudito, flertando com a MPB e incluindo o talento dos compositores locais, fomos brindados com um concerto musical digno dos maiores Teatros Municipais de qualquer cidade do mundo. Nunca vi um público tão grande, nem nos antigos e tradicionais carnavais, quanto o dessa noite memorável. Muito obrigado Cida Angelo pelo seu hercúleo empenho em se colocar como interlocutora e intermediária entre a OSB e o nosso município. O concerto e o seu nome entraram para a história de Mangaratiba. Mais uma vez muito obrigado em nome de todos os músicos e equipe técnica envolvidos e em nome de cada pessoa que esteve presente, de Itacuruçá, Muriqui, Praia do Saco e centro. P. S. Lamentei profundamente a não execução da música Mangaratiba, de autoria de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. No mais, uma noite brilhante! Quem não veio, pode se arrepender, porque perdeu o maior espetáculo musical de todos os tempos!"(Luciano Hefner)

Concordo plenamente com as palavras acima. Pois realmente foi um grande evento para a cidade e que poderá ficar registrado na História tal como foi, por exemplo, o MANGARATIBA JAZZ & BLUES FESTIVAL, ocorrido há pouco mais de três anos na praia de Muriqui acerca do qual escrevi na postagem de 22/10/2015 (clique AQUI para ler). Só que, naquela ocasião, choveu intensamente durante os três dias de apresentação do evento enquanto que, na data de ontem, São Pedro resolveu nos dar uma ajuda.

Certamente que, se a cidade oferecer mais vezes oportunidades como essa para o público poder apreciar obras musicais como as de Beethoven, Tchaikovsky, Camargo Guarnieri, Guerra-Peixe, Ari Barroso, Tom Jobim, dentre outros, poderemos atrair para a região um turismo de qualidade com um comportamento bem diferente daquilo que assistimos todos os verões nos nossos mais frequentados balneários. E aí, como a praia do Centro não recebe os bagunceiros da alta temporada (talvez por ser pequena e imprópria para o banho), o ambiente social ali se torna mais agradável para um visitante educado poder desfrutar.




Com o novo prefeito, Alan Bombeiro (PSDB), assumindo o comando da cidade a partir do dia 20/11 (próxima terça-feira), creio que teremos uma oportunidade de desenvolver o turismo em Mangaratiba, desde que governo e sociedade cooperem esforçadamente nesse sentido. Inclusive no que se refere à realização das propostas de campanha eleitoral para a cultura, as quais considero excelentes:

"Promover eventos culturais que resgatem a tradição local, segundo o calendário anual ordinário de festejos cíclicos, como Festas Juninas, Folia de Reis, Dia da Consciência Negra, além de participar da criação de um calendário próprio anual, de acordo com a identidade do município, junto às demais secretarias.

Propor parcerias com eventos artísticos e culturais de iniciativa popular e incentivá-los, como o Beco Livre, o Dia da Consciência Negra na Marambaia, o Coro de Coreto, Ocupa Coreto e tantos outros gratuitos para a população.

Restaurar prédios culturais sob a administração da Fundação Mário Peixoto, assim como desapropriar outros de comprovado valor histórico para a criação da Escola de Música e Dança Municipal, da Casa do Artesão, dos Cines Jannuzzi, Itacuruçá e Mic-Mec e do Café-Teatro Mangaratiba.

Criar um centro cultural ou lona em cada distrito que não possuir um, respeitando suas identidades, em prédios que abriguem pequeno palco técnico para shows musicais, peças teatrais, salas de exposição, assim como aulas frequentes de diversas linguagens artísticas.

Modernizar a biblioteca pública existente no Centro de Mangaratiba, revitalizar as de cada distrito e criar uma nos que não possuem em parceria com a Secretaria de Educação e de Ciência e Tecnologia, oferecendo novas mídias, acesso à internet e vasto acervo bibliográfico e iconográfico.

Ajustar o Centro Ferroviário de Cultura de Itacuruçá, na antiga estação de trem, para que também funcione como Arquivo Histórico-Cultural de Mangaratiba, que terá a função de guardar fotos e documentos relativos à arte e à cultura do município, assim como promover exposições deste material.

Restaurar o Beco da Poesia do Centro de Mangaratiba e criar outros nos distritos, tornando locais de utilização obscura em iluminados e de utilização cultural, assim como grafitar com desenhos gigantes de artistas locais espaços públicos, tornando-os mais belos.

Promover a criação virtual do Museu da Pessoa de Mangaratiba com depoimentos gravados e fotos da história dos moradores, o que, paralelamente, eternizará a história da cidade através da oralidade dos habitantes da terra, a cargo do Arquivo Histórico-Cultural de Mangaratiba.

Restaurar o Parque das Ruínas do Saco de Mangaratiba e criar o Parque das Ruínas do Sahy, Implantando a fiscalização sistêmica com auxílio da Guarda Municipal para a sua efetiva preservação e visitação turística, incluindo também os demais pontos históricos da antiga Estrada Imperial do Centro de Mangaratiba até a Serra do Piloto.

Reativar e promover a antiga Fábrica de Banana, comprovado bem patrimonial do município e estimular o resgate e a produção artesanal de outros produtos com identidade local.

Acolher e administrar a Orquestra Municipal de Mangaratiba.

Reeditar, em parceria com a Secretaria de Comunicação Social, o jornal Mangaratiba & Cultura, com artigos sobre arte, cultura e identidade, além de reportagens divulgando a programação artística e cultural bimestral do município.

Revitalizar as estantes de livros para empréstimo espalhadas pelos distritos e mantê-las sempre arrumadas e atualizadas.

Difundir e tornar itinerante a Nossa Feira de Mangaratiba, um dia em cada distrito, com shows musicais, barracas padronizadas de produtos agrícolas orgânicos e de produção caseira, artesanato local, lanches e antiguidades.

Revitalizar eventos artísticos e culturais mensais de gestões anteriores de grande aceitação e apelo popular, como o Cachaça Poética, Praião (exibição de filmes infantis ao ar livre nas praias de Mangaratiba), Sambão nas Ruínas, Concertos Eruditos ao Piano, Natal na Praça, entre outros."

Na expectativa de dias melhores, embora com os dois pés no chão e consciente que as mudanças não acontecem do dia para noite, desejo a todos uma excelente semana, torcendo sempre pelo melhor para a cidade onde vivemos.


Viva Mangaratiba!

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Que a nossa República possa reencontrar-se



Hoje, dia 15/11/2018, feriado nacional em homenagem à Proclamação da República, é mais uma data que serve para a nossa reflexão.

O Brasil acabou de passar por uma eleição e esse evento não completou nem um mês, sendo que muita gente ainda está no embalo da escolha do capitão da reserva Jair Messias Bolsonaro para presidir essa República relativamente jovem de seus 129 anos. E, apesar de estar chegando o Natal, pode-se dizer que a grande maioria dos brasileiros continua ligada na política sem aderir ao clima de festa.

Bolsonaro não foi o meu candidato, porém agora é o presidente eleito de todos nós. Sua vitória nas urnas foi incontestável e reflete o anseio do brasileiro por uma mudança radical na política. Tanto é que vários deputados, senadores e governadores foram eleitos por influência dessa decisão coletiva.

Assim, vive-se no momento, um aguardo das escolhas do novo presidente quanto aos futuros nomes de seu governo dando sinais do rumo ideológico traçado, sem que venhamos a ter grandes mudanças quanto à política econômica. Aliás, o nosso próximo chanceler, o embaixador Ernesto Araújo, possivelmente fará com que o Brasil venha a ter um alinhamento maior com os Estados Unidos.

Entretanto, antes mesmo do presidente eleito assumir, vários fatos estão ocorrendo em função dos futuros acontecimentos. Um deles foi a recente saída de Cuba do programa "Mais Médicos" iniciado na era PT para ampliar o atendimento dos profissionais de Medicina no Brasil importando mão-de-obra. Ontem, o governo do país caribenho disse que tomou tal decisão devido às "declarações ameaçadoras e depreciativas" de Jair Bolsonaro, o que veio a ser rebatido por ele no Twitter e numa entrevista concedida em Brasília:

"Condicionamos a continuidade do programa Mais Médicos à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou"

Além disso, há uma preocupação sobre como Bolsonaro pretende lidar com as universidades, com a defesa do meio ambiente e a proteção das relações trabalhistas. E, nestes dois casos, felizmente ele resolveu não extinguir as duas respectivas pastas que seriam o MMA e o MTE. Só que de qualquer modo, a política deverá mudar muito assim quando a nova gestão se iniciar.

Seja como for, trata-se de um governo de direita legitimado pela participação popular que se expressou tanto pelo voto quanto pelas manifestações de apoio nas ruas/redes sociais. Posso não concordar com as ideias de Bolsonaro, mas reconheço que estamos vivendo agora a expectativa de uma mudança na vida republicana do país com possíveis reformas conservadoras que jamais poderão sair do campo democrático graças à Constituição de 1988, além da composição dos Poderes Legislativo e Judiciário.

Daqui um ano, quando estivermos completando 130 anos de República, espero que as coisas estejam caminhando para melhor nesse país E que sempre possa prevalecer um equilibrado bom senso nas decisões tomadas pelo futuro governo visto ser é algo indispensável para a paz social. 

Ótimo final de feriado a todos!

Caminhos diferentes



Retomando algo que há tempos eu não fazia aqui no blogue, visto que, de uns tempos para cá, passei mais tempo comentando sobre política, resolvi destra vez compor algo que tem a ver com questões éticas e utilizar um pouco do conhecimento teológico que acabei aprendendo de maneira amadora.

Uma das mensagens bíblicas que tem estado no meu coração ultimamente é aquela narrativa sobre um "particular" ocorrido entre o patriarca Abraão (ainda com o nome de Abrão) e o seu sobrinho Ló, os quais eram pecuaristas nômades na antiga Canaã. É algo que considero bem interessante!

Segundo as Escrituras, os pastores de ambos os líderes não estavam se entendendo mais a ponto de tio e sobrinho precisarem de separar. Então Abraão, sendo um homem sábio e cheio de fé, tendo também aprendido a não mais construir a vida se aproveitando de certas facilidades oferecidas e buscar soluções corretas mesmo diante das dificuldades, preferiu não escolher para que lado iria morar. Então, os dois parentes subiram a um alto monte, observaram a paisagem lá de cima e Ló resolveu ir para onde havia uma planície fértil que seria aparentemente mais adequada para ele ficar rico criando gado. Já Abraão não se incomodou em tentar a sorte numa região mais árida.

"Subiu, pois, Abrão do Egito para o lado do sul, ele e sua mulher, e tudo o que tinha, e com ele Ló. E era Abrão muito rico em gado, em prata e em ouro. E fez as suas jornadas do sul até Betel, até ao lugar onde a princípio estivera a sua tenda, entre Betel e Ai; Até ao lugar do altar que outrora ali tinha feito; e Abrão invocou ali o nome do Senhor. E também Ló, que ia com Abrão, tinha rebanhos, gado e tendas. E não tinha capacidade a terra para poderem habitar juntos; porque os seus bens eram muitos; de maneira que não podiam habitar juntos. E houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló; e os cananeus e os perizeus habitavam então na terra. E disse Abrão a Ló: Ora, não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos irmãos. Não está toda a terra diante de ti? Eia, pois, aparta-te de mim; e se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda. E levantou Ló os seus olhos, e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada, antes do Senhor ter destruído Sodoma e Gomorra, e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, quando se entra em Zoar. Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o oriente, e apartaram-se um do outro. Habitou Abrão na terra de Canaã e Ló habitou nas cidades da campina, e armou as suas tendas até Sodoma. Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o Senhor." (Gênesis 13:1-13)

Para quem conhece a narrativa e os capítulos seguintes do livro de Gênesis, sabe quais os resultados colhidos por cada um personagem e qual deles acabou sendo mais feliz. Pois Ló, no fim das contas, veio a perder os bens na trágica destruição da cidade de Sodoma, onde fixou a sua residência, ao passo que Abraão sustentou-se com dignidade e abundância de recursos por todos os dias de sua peregrinação em Canaã.

Nesse mesmo sentido, um outro texto bíblico que de certo modo completa a reflexão seria um dos ensinos de Jesus presente no Sermão da Montanha e que se repete no Evangelho de Lucas num outro contexto de parábolas. É quando Jesus usa a metáfora das duas estradas e das duas portas:

"Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem." (Mateus 7:13-14)

Sem precisar fazer terrorismo religioso em cima disso, gosto muito desse ensino do mestre pois muitas das vezes o homem ambiciona a qualquer custo a fama, o poder e as riquezas, mas acaba se perdendo. Com isso, ele perde a paz interior, a alegria de viver, os amigos verdadeiros, a integridade, a liberdade dentre outros bens imateriais que podemos considerar como eternos.

Tendo eu postado essa semana acerca dessa mensagem nas redes sociais, recebi um comentário de uma lúcida professora no meu perfil no Facebook que achei bem interessante, o qual passo a reproduzir adiante:

"Fácil chegar onde se quer, abrindo-se mão de valores e princípios éticos. Não é fácil manter a coerência humana, diante de um mundo onde a sua maioria sonha com os "ter" e não com o "ser" na sua vida. Abrir mão da porta larga significará se ver preterido e as portas sempre estreitas ou mesmo inexistentes ou fechadas. Poucos assumem uma postura de radicalidade no mundo fenomênico. A grandeza pessoal em persistir na caminhada mais difícil é uma opção, cujo preço não é pequeno. Contudo, tem sua compensação, o crescimento pessoal da humanidade e espiritualidade, ganha uma leveza subjetiva que se traduzirá na difícil condução de qq [qualquer] que seja o fardo da vida." (Gloria Nunes)

Sem dúvida, ela teve um ótimo acerto nas colocações feitas. Eu, além de concordar, considero que tal compensação é incomparavelmente melhor do que ter momentâneas satisfações num presente perecível. Porém, lamentavelmente a maioria da humanidade não tem ainda essa consciência e a própria passagem bíblica em tela muitas das vezes continua sendo usada nas igrejas mais como mais uma coação psicológica em prol de um proselitismo religioso ao invés de promover o crescimento pessoal. Pois poucos entendem ou querem entender o significado dela.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Breves observações sobre a entrevista do juiz Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça de Bolsonaro



Assisti pelo Jornal Nacional e gostei muito da entrevista de hoje do Dr. Sérgio Moro à imprensa (clique AQUI para ler). Pois, como pude atentamente observar, ele expôs algumas ideias sensatas que, pelo visto, divergem das coisas polêmicas que futuro chefe diz. O juiz federal, convidado para ser ministro do presidente eleito disse que:

- é contra tratar movimentos sociais como "terroristas";

- vai adotar "modelo Lava Jato" no combate ao crime organizado;

- respeita as minorias sociais;

- irá atuar no convencimento do presidente eleito, o que deve tornar Bolsonaro mais moderado nas decisões que vier a tomar;

- entende pela preservação dos princípios de solidariedade quanto à fronteira com a Venezuela (o Brasil não vão construir um muro em Roraima);

- considera que a flexibilização sobre posse de armas não poderá ser excessiva;

- demonstrou reservas quanto ao confronto com o crime organizado, embora isso seja uma possibilidade na qual vai ser preciso discutir!

Enfim, trata-se de uma visão sensata e espero que ele seja uma boa influência nesse futuro governo que vem me inspirando tanta preocupação. Principalmente por causa do alarmante discurso do governador eleito do Rio de Janeiro, o ex-juiz federal Wilson Witzel, que pretende "abater" criminosos armados por meio de atiradores contratados.

Além disso, Sergio Moro disse que dará atenção especial para elucidar os assassinatos da ex-vereadora do Rio, Marielle Franco (PSOL), e do seu motorista Anderson Gomes, declarando o caso precisa ser solucionado. Ou seja, demonstrou compromisso em investigar a morte de uma integrante da esquerda.

Seja como for, vamos acompanhar o desenrolar dos fatos. E, embora Bolsonaro ainda não tenha tomado posse, precisamos estar atentos a tudo o que ele e integrantes de sua equipe falam. 

Ótima noite, meus amigos!

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Uma primavera ainda bem suportável



Já começou novembro e vamos em frente. Faltam exatos 50 dias para o Natal e menos do que isso para o início do verão. Porém, graças às frequentes precipitações, as temperaturas ainda estão agradáveis.

Quanto à época, eu diria que não há nada de anormal pois as últimas semanas da estação primaveril são mesmo chuvosas. Estas costumam ser menos intensas do que as de verão, embora com uma durabilidade maior no decorrer do dia.

Assim sendo, o feriado de Finados aqui não fugiu à regra, o qual passamos a maior parte do tempo descansando e conversando em casa. Porém, aproveitamos para dar uma saída brevemente pela rua e almoçamos na praça principal do Distrito. No restaurante self-service, não resisti a um dos meus pratos carnívoros prediletos que é costela bovina com batata (ou aipim) e agrião.

De noite, temos dormido com uma ou duas mantas, dependendo do ambiente. Em outubro, cheguei a puxar também o cobertor por alguns dias, sendo que vez ou outra ligo o ventilador. Meus banhos ainda são com o chuveiro ligado no "quente" e, em outras ocasiões, no "morno", apesar de ter um dia desses encarado a água fria. Porém, isto foi quando a temperatura estava um pouco quente (acho que foi sábado, dia 03/11).

As frutas já não são as mesmas do inverno. Ao invés de ponkan ou tangerinas, começam a aparecer mangas, jabuticabas, pêssegos, melancias e abacaxis. Mas dá para se encontrar facilmente as laranjas que suprem muito bem a necessidade que temos de vitamina C. 

Mesmo não fazendo ainda aquele calorão, curto tomar um sorvete nesta época. Aliás, o ano inteiro! Hoje mesmo, eu e Núbia saboreamos em casa um potão sabor frutas vermelhas que estava uma delícia. Porém, no final de semana, aproveitando um momento de calor, fomos até à padaria da rua curtir os tradicionais chocolate e morango da marca Jundiá, os quais chegam a ser até mais gostosos do que os produtos da Kibon (além de um pouco mais baratos).


Apesar das eleições terem acabado, a política não pára. Continuo acompanhando os fatos e atento ao que acontece na formação dos novos governos federal e estadual, sem o mínimo interesse de fazer parte deles. A cada notícia sobre Bolsonaro e Witzel, sinto-me cada vez mais assustado com o que vem por aí.

Todavia, deixarei para comentar sobre os políticos eleitos numa outra postagem para não causar má digestão após haver escrito sobre coisas tão deliciosas como frutas e sorvetes. E, por isso, pra não dizer que não falei das flores, título da canção de Geraldo Vandré que foi composta há 50 anos atrás, deixo-lhes uma imagem mais de perto de uma das plantas silvestres que têm embelezado o meu jardim e que corresponde à espécie da foto inicial.


Como publiquei mais cedo no sítio de relacionamentos Facebook, pouco antes de tomar o sorvete com a Núbia, desejo que o nosso interior seja sempre florido. 

Ótimo fim de noite, meus amigos! 

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Lembrando de quem um dia fez a nossa História acontecer



Não poderia deixar passar o dia de hoje (feriado de Finados) sem lembrar aqui de um importante personagem da História brasileira que precisa ser devidamente honrado. Cuida-se do sociólogo e ativista de direitos humanos Herbert José de Sousa (1935 — 1997), mais conhecido como Betinho, o qual é identificado na memória de muitos brasileiros por sua dedicação ao projeto "Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida".

Recordo que, na época, eu tinha ainda os meus 17 anos quando via na televisão a figura de um homem magricelo e de aparência adoentada por causa da AIDS. Porém, só muito tempo depois, foi que comecei a valorizar a sua pessoa como um exemplo de dignidade para a nossa nação.

Graduado em Sociologia na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, no ano de 1962, ainda durante o governo de João Goulart, Betinho assessorou o MEC, chefiou a assessoria do ministro Paulo de Tarso Santos, e defendeu as chamadas reformas de base, sobretudo a reforma agrária. Porém, com o golpe militar de 1964, mobilizou-se contra a ditadura, sem nunca esquecer as causas sociais. E, com o aumento da repressão, foi obrigado a se exilar no Chile, no ano de 1971, onde assessorou o presidente Salvador Allende, até a sua deposição em 1973. 

Precisando escapar do golpe de Pinochet, Betinho refugiou-se na embaixada panamenha. E, posteriormente, morou no Canadá e no México, sendo que, durante esse período, foram reforçadas as suas convicções sobre a democracia, a qual ele julgava ser incompatível com o sistema capitalista.

Anistiado no ano de 1979, Betinho retornou ao Brasil e, em 1981, foi um dos fundadores do IBASE - Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. Daí em diante, passou a se dedicar à luta pela reforma agrária, tornando-se um de seus principais articuladores, vindo a reunir, em 1990, milhares de pessoas no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, em manifestação pela causa.

Após haver integrado as forças que resultaram no impeachment do então Presidente da República, Fernando Collor de Mello, Betinho iniciou o projeto da Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida. Tratava-se, pois de uma iniciativa em favor dos pobres e excluídos. O seu movimento criou vários comitês locais em que cidadãos solidários passaram a se mobilizar voluntariamente por toda a nação por meio de ações assistenciais promovidas junto às famílias carentes. E, na época, todos os estados participam da campanha e organizam as suas atividades definidas em um fórum nacional.


Não custa lembrar que o Brasil, após o regime militar, recebeu uma herança maldita de um modelo econômico que só tornou os pobres ainda mais pobres, os quais não usufruíram do crescimento ocorrido durante o período do "milagre". No ano de 1984 (o penúltimo da ditadura), quando houve a "Diretas Já", eis que, de cada três brasileiros, dois passavam fome. E mil crianças de até um ano de idade morriam por este motivo diariamente, sendo que 65% da população era desnutrida.

Deste modo, pode-se dizer que a Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida foi fundamental para que, cinco anos após a promulgação da Constituição democrática de 1988, a sociedade brasileira começasse a se engajar para se livrar desse terrível mal que era a fome. Ou seja, o movimento tornou-se um marco importantíssimo até que, em 2014, depois de reduzir em 82,1% o número pessoas subalimentadas, o Brasil finalmente deixou o vergonhoso mapa da fome da ONU.

Infelizmente, Betinho não chegou a durar o suficiente para ver esse resultado. Portador do vírus HIV, contraído em uma das transfusões de sangue a que era obrigado a se submeter periodicamente (devido à hemofilia), o seu óbito ocorreu em 1997, quando já se achava bastante debilitado pela AIDS. Deixou dois filhos, Daniel, filho do seu primeiro casamento com Irles Carvalho, e Henrique, filho do segundo casamento com Maria Nakano, com quem viveu por 27 anos.

Todavia, é importante ressaltar que, apesar do fato de ter sido soropositivo, Betinho jamais deixou de ser ativo em sua vida pública. Aliás, a sua luta contra a doença repercutiu na criação de movimentos de defesa dos direitos dos portadores do vírus e, junto com outros membros da sociedade civil, fundou e presidiu até a sua morte a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS.

Que nesses tempos sombrios, marcados pela eleição de Jair Bolsonaro, possamos nos lembrar de corajosos guerreiros do passado, como foi o Betinho, a fim de que a nação brasileira consiga resistir aos retrocessos político e social que passamos a vivenciar ultimamente.